Gatomania - A clínica dos Gatos
 

Espaço dos Clientes

Castração: Mitos e Verdades

O termo castração pode ser aplicado tanto ao macho quanto à fêmea e consiste na retirada dos dois testículos ou na retirada do útero e dos dois ovários. Pode ser denominada também tecnicamente como orquiectomia (para machos), ovariossalpingohisterectomia (para fêmeas) ou simplesmente esterilização.
            A castração é desejável quando não se tem o objetivo de procriação de seus gatos. Pois é complicado conseguir doar todos os filhotes de uma ninhada, principalmente em se falando de gatos, espécie que ainda sofre muitos preconceitos. Além disso, quando a doação é feita para desconhecidos, não se sabe se a pessoa que adotou é paciente com relação às estripulias dos filhotes, às arranhaduras no sofá, aos miados relacionados ao cio, à demarcação de território dos machos. Enfim, não se sabe se o gatinho doado vai permanecer naquele lar para sempre, ou, se vai ser desprezado, sendo levado de lar em lar, ou pior, jogado na rua. Pensando nesta última possibilidade, ele passará fome, frio, perigos, havendo também uma procriação desordenada, gerando mais gatinhos de rua, que passarão pelo mesmo sofrimento. Sendo assim, pense bem se você deseja ou não que seus gatos procriem.
            Muitas vezes, o proprietário evita a procriação felina fazendo uso de anticoncepcionais nas fêmeas, ou prendendo seus gatos em casa. A primeira opção é praticamente um crime (você verá a seguir), já a segunda, deixam seus bichanos estressados, pois o macho quer sair para procriar com as fêmeas das redondezas que se encontram no cio, urinam dentro de casa para demarcar território, ficam ansiosos. As fêmeas diminuem a ingestão de alimentos, ficam magras, com a pelagem em mau aspecto, miam o tempo inteiro. Todos esses comportamentos podem incomodar alguns proprietários, mas o pior é quando incomodam aos vizinhos. Alguns destes não têm respeito pela vida de um bichinho indefeso e oferecem veneno a eles, a fim de resolver o problema.
            Algumas pessoas têm uma idéia errada de que a administração de anticoncepcionais em fêmeas é mais prática e barata do que uma castração. Não importa o preço da castração, ela sempre será mais barata do que as conseqüências geradas pelo uso de anticoncepcionais. Eles podem causar infecção de útero, cujo tratamento é a castração, mas neste caso custa o dobro de uma castração ou mais, pois o útero estará infeccionado. Sem falar no agravante do perigo de morte que a gata estará sofrendo. Outra conseqüência do seu uso seria o aparecimento de tumor de mama. Nas gatas, mais de 90% dos tumores mamários são malignos e fazem metástase (se espalham pelo organismo) muito facilmente e a quimioterapia não tão eficaz. Portanto, as chances de morte podem ser grandes. E lembre-se, a cirurgia de retirada de mama custa mais que o triplo do preço de uma castração. Então, está claro que a utilização de anticoncepcionais não vale a pena, primeiramente pela vida de sua gata, e segundo, financeiramente.
 
            Verdades e mentiras sobre a castração:
·         Os gatos ficam mais mansos depois de castrados?
Geralmente sim, pois diminuem a agressividade característica de disputa de hierarquia e demarcação de território, mas não são todos os gatos.
 
·         Os gatos param de sair de casa depois da castração?
Eles saem menos de casa, mas não deixam de ir à rua de vez em quando. Pois os gatos (machos e fêmeas) gostam de sair e explorar o território, no entanto, não demoram tanto mais na rua como antes, pois perderá o interesse em “namorar” e conquistar mais territórios para seu domínio.
 
·         É possível uma gata entrar no cio após a castração?
Sim. Mas é um acontecimento muito raro. Isso não quer dizer que o veterinário que realizou a castração tenha enganado você ou que tenha feito uma castração mal feita. É que algumas gatas têm células ovarianas espalhadas nos tecidos adjacentes ao ovário e que conseguem promover a indução do cio. Estas células não são vistas a olho nu e como não estão no ovário, não são retiradas.
 
·         Os machos param de urinar nos locais indesejáveis após a castração?
Sim e não. Sim, se a intenção for demarcação de território, a fim de chamar a atenção da fêmea ou refugiar o macho que disputa pela fêmea. Mas se a aspersão de urina (não podemos chamar de demarcação de território neste caso) for por estresse, por exemplo, a chegada de um hóspede estranho na casa, mudança de moradia, troca de móveis, ele não vai parar de aspergir urina nos locais indesejáveis, pois este comportamento não está relacionado a hormônios sexuais.
 
·         O felino engorda após a castração?
A grande maioria sim. Pois eles saem menos de casa, já que não têm mais atividades sexuais. Além disso, há um aumento na ingestão de ração, o que contribui para o aumento de peso. No entanto, há felinos que não engordam, além disso, a obesidade pode ser evitada com o estímulo no aumento da atividade física (brincadeiras) e o oferecimento de rações próprias para gatos castrados.
 
·         Os machos castrados têm maior propensão a terem distúrbios urinários?
Não está provado que a castração esteja diretamente ligada à maior propensão à obstrução de uretra. Mas sabe-se que o fato do gato castrado ter maior propensão à obesidade, e conseqüentemente se tornar mais preguiçoso, ele irá menos vezes à vasilha sanitária para urinar e também beberá menos água. Isso sim, pode induzir à formação de uma urina mais concentrada, e por isso, maior suscetibilidade à formação de cálculos.
 
·         Os gatos castrados vivem mais?
Sim. Por saírem menos de casa, correm menos perigo como atropelamentos, queda de lugares altos, briga com cachorros, envenenamentos, traumatismos gerados por pessoas e doenças virais de outros gatos. Gatos que costumam ir muito á rua vivem em média 3 a 5 anos. Gatos que não saem de casa (isto inclui os gatos de apartamento) estão vivendo por 16 a 18 anos.
 
·         Gatos castrados têm melhor qualidade de vida?
Sim. Em primeiro lugar, eles não sofrem o estresse do cio (a fêmea pelo próprio cio e o macho pela ansiedade de querer cruzar com a gata no cio). Em segundo lugar, como ficam menos agressivos e se preocupam menos com demarcação de território, brigam menos, e com isso, adquirem menos infecções.
 
·         É importante deixar que a gata ou o gato cruze antes de castrar?
Não. Com relação ao macho, quanto mais cedo você castra, menor a probabilidade de ele demarcar território com urina. E se ele já tem esse costume há muito tempo, ele pode até demorar um pouco para parar com a demarcação, mas geralmente a castração consegue eliminar este comportamento.
 
·         Deve-se castrar a gata antes do primeiro cio?
Sim. Já foi provado cientificamente que a castração antes do primeiro cio diminui em mais de 90% as chances de aparecimento de tumor de mama. Sabe-se que o crescimento de tumores de mama pode ser influenciado diretamente pelos hormônios sexuais femininos na gata. Tanto que muitos oncologistas veterinários costumam castrar as gatas durante a cirurgia de retirada do tumor de mama.
 
·         Então, qual o melhor período para fazer a castração?
Nos EUA, os veterinários costumam realizar castração o mais cedo possível. Às vezes, o gatinho de 3 meses ao ser doado já se encontra castrado. Isso é para evitar a procriação indiscriminada. Já outros veterinários preferem realizar a castração quando os gatinhos completam aproximadamente 6 meses de idade, por precaução quanto ao risco da anestesia.
 
·         Existe anticoncepcional seguro?
NÃO, NÃO e NÃO. Muitos donos de pet shop indicam a utilização, mas eles não fizeram cinco anos de curso de medicina veterinária para saber dos riscos causados pela utilização de hormônio sintético nos animais de estimação. Há alguns veterinários que acreditam que alguns novos anticoncepcionais sejam mais seguros do que os utilizados antigamente. Preste atenção, MAIS SEGURO não significa TOTALMENTE SEGURO.
 
·         Porque a gata de uma conhecida que usava anticoncepcional, nunca apresentou nenhum problema?
Na verdade, ela pode não ter apresentado nenhum problema AINDA. Cedo ou tarde ela vai apresentar. Todas as gatas que eu atendi com tumor de mama, tomou anticoncepcional alguma vez na vida.
 
·         É preciso que a minha gata tenha tomado anticoncepcional por muito tempo, para que ela apresente algum problema?
Não. Às vezes uma aplicação somente causará problemas muitos anos depois.
 
 
 
Qualquer outra pergunta que você tenha e que não esteja neste texto, pode ser enviada por e-mail, que terei o maior prazer em respondê-la.
Atenciosamente,
Drª Cynthia Brandão da Costa